Perfil da Super Heroína

Minha foto
São Paulo, São Paulo, Brazil
Eu sou um pontinho no meio do nada. Eu sou o grande conflito entre o céu e a terra. Eu sou o sim e o não. Sou todas as coisas cabíveis e imagináveis numa mente fértil. Alguém que se perdeu no espaço e veio parar na Terra para tentar salvar o planeta. Porém, cada dia que passa essa missão encontra-se mais difícil! u.u'

22 de dez de 2009

De todas as vidas(I e II)

Porque é assim desde outras vidas... Abri os olhos. Estava perdida na floresta... Minha respiração estava ofegante. Estava amarrada pelos braços e pelas pernas numa arvore grande. E pra piorar, estava nua. Não sabia quem havia me levado pra lá. Era como se tivessem me drogado e eu não lembrasse de nada.Olhava desesperada ao redor, mas só havia arvores... Era de tarde... O Sol estava quente, mas onde eu estava havia sombra, e uma brisa gostosa de vento nas sombras.Meus cabelos loiros e longos estavam caídos sobre meus seios.Estava com sede... Tentava me desatar da árvore, mas era em vão.Tinha medo de gritar e chamar atenção de alguma fera da floresta. Ouvi passos.De repente aparece um homem de ombros largos, negro e barbado. Parecia ser bruto e carregava um machado pendurado na cintura.Fiquei com medo.Continuei olhando assustada. Ele veio até mim, ficou me olhando sem dizer nada, e eu perplexa com toda aquela situação, também fiquei muda.Seu olhar era negro. Fechei os olhos com medo do que pudesse acontecer.Senti ele chegando mais perto. De repente, sua respiração ficou próxima ao meu rosto. Senti sua mão aspera deslizando sobre meu rosto e sobre meu pescoço... Seu hálito tinha cheiro de fumo, algum tabaco especial. Era um cheiro diferente. Eu gostava do cheiro do seu hálito. Abri os olhos. E deparei-me com o rosto daquela figura bruta mais próxima. Seus lábios eram grandes. Sua vestimenta era suja de terra. Ele na verdade vestia alguns trapos. Não era bem o que poderia se chamar de roupas. - Seu pai não gostaria de saber que você está aqui comigo - disse ele. - Mas precisava me amarrar desse jeito? - perguntei.- Você não disse que gostava de como eu tratava as éguas do estábulo? Quero que você perceba como é ser domada. - Ser domada? Mas você poderia me soltar, né?! Tenho sede. Me deixe ir ao rio molhar a boca e o corpo. Eu volto... Me solta daqui! Algum bicho da floresta pode me machucar. - Eu sou o único bicho da floresta que vai chegar perto de você, meu amor. Nenhum mau vai acontecer com você, eu prometo. Está com sede? Eu trago água. - Mas e você não vai me soltar? - Por que eu deveria te soltar? Eu estou te protegendo. Se tem sede eu vou buscar água pra você... Ele saiu dali e me deixou sozinha e com medo de novo. Porque ele tinha feito aquilo? De fato, se meu pai soubesse que estavamos ali, ele mataria nós dois. Depois de algum tempo, ouço seus passos retornando. - Trouxe a sua água - disse ele com uma moringa nas mãos. Levou a moringa até minha boca e eu bebia aquela água como se nunca tivesse bebido antes. A água escorria pelo canto da minha boca e ia caído sobre meu corpo, molhando meus seios, minha barriga e deslizava pelas minhas pernas. Terminei de beber a água. Ele colocou a moringa do outro lado da árvore.- Saciei a sua sede? - Sim - respondi.- Agora é sua vez de me saciar... Ele me beijou com um beijo bruto, aspero, rude. E eu gostava. Como amava aquele beijo. Um beijo proibido. O beijo do escravo e da sinhazinha. O beijo contra todos os conceitos da nossa sociedade. O beijo da moça virgem de dezesseis anos e o beijo do moço negro que cuidava do estábulo. Suas mãos deslizavam meu corpo... Com uma ele apertava meios seios, com a outra masturbava-me. A excitação tomava conta de mim. Sua boca ia deslizando para minha nuca, meu seio, minha barriga, minhas coxas, meus pés... Ele beijava meus pés, ora com brutalidade, ora com carinho... Ficava perdida em meio a tanto êxtase. Ele desatou meus pés, colocou minha perna sobre seu ombro e ia subindo seus lábios até a parte interna da minha coxa. Me lambuzava com sua saliva, e eu já estava lambuzada em outro lugar, e de repente ele descobre o lugar onde eu mais estava molhada. Não bastando tanta lubrificação, me molhou mais ainda com sua saliva, fazendo movimentos circulares com a língua, massagendo ferozmente a minha vulva com seus dedos também, inclusive, me penetrando com eles. Eu gemia desconsoladamente. Meus gemidos ecoavam floresta adentro. E a última coisa com a qual eu me preocupava era com as feras que possívelmente poderiam me comer. O bicho mais feroz daquele lugar já fazia o que não devia. Com seus lábios molhados de mim, beijou-me novamente. Sentia meu gosto nos lábios do homem viril e forte que me consumia. Me desatou da árvore sem pressa nenhuma, eu massageei meus pulsos como forma de aliviar o cansaço deles... Meu homem veio para trás de mim me pegou pelos cabelos e disse: - Vou te tratar como se trata as éguas do estábulo, vou domar você como se doma um bicho selvagem, pois foi isso que você fez comigo. Me domou. Tomou meu coração e eu sou seu, agora você será minha. Minha fera domada! Me fez ficar de quatro, puxou meu cabelo e penetrou com brutalidade. Senti uma dor tremenda, mas era uma dor excitante, uma dor de amor. Meu amor! Meu amor proibido, meu amor selvagem. Meu homem negro, da sua mulher branca. O amor proibido, o amor selvagem, o nosso amor universal. O amor carnal, espiritual. Diferente de qualquer outra coisa que eu posso viver em qualquer vida que seja. Nosso amor é eterno... E se não for, que seja eterno enquanto dure. Perdida na dor e no prazer, me deixei levar por todas as sensações. Me deixei ser comida por aquele bruto. Ele me penetrava fortemente, eu urrava. Meu homem me puxava pela cintura e enfiava em mim... Sentia seu suor... Ele rasgou o resto de sua vestimenta, como um homem das selvas. Eu sentia o cheiro do seu suor. O cheiro que eu tanto gostava. O cheiro do homem viril que era. Seu suor pingava nas minhas costas. Ele gemia como um animal. De repente, ele me vira de costas para o chão, prende meus pulsos com suas mãos e enfia com voracidade novamente... Me dói outra vez. Me sentia de fato, dominada, dolorida, mas extasiada de prazer. É como se de alguma maneira eu já tivesse vivenciado aquela cena. Do meu macho em mim. Me comendo, me domando, me penetrando, me amando. Ele me beijava enquanto me penetrava. Lambia meu rosto. Colocou minhas pernas sobre seu ombro e começou a penetrar minha bunda. Com um carinho anormal... Se desfazendo de toda a brutalidade que havia me consumido. Ia devagarzinho, como se já tivesse me domado... Bem devagarzinho... E eu sentia todos os movimentos dele entrando e saindo de mim. Me segurava pelos ombros e ele assistia os movimentos que estava produzindo. Perdido numa luxúria louca novamente, saiu dali e começou a me chupar... Sugava-me, mordia me... Enfiava seus dedos... Com uma enorme violência que me fazia gozar absurdamente. Eu gozava, e gozava, e gritava... E a floresta toda ouvia e sentia meu prazer. Ainda com aquelas sensações, ele enfiou em mim outra vez e me acompanhou... Senti seu gozo escorrendo em mim. Cansado, ele deitou sobre meu corpo. Ambos molhados de prazer e suor. Ofegantes. Sentia seu peso sobre meu corpo e me sentia protegida. Como sempre. Protegida. Protegida pelo seu machado, protegida pelo seu amor. Nunca que uma menina da minha classe poderia de envolver com um escravo do seu pai. Meu pai não poderia imaginar o que está acontecendo entre a gente, senão ambos morreríamos... Mas eu acredito que mesmo se morressemos, teríamos muitas outras vidas pra repetir nosso sexo.

11 de dez de 2009

Estou em um emprego legal... Estou em um emprego muito legal. Sabe, percebo que estou com medo do silêncio. Do silêncio absoluto, do silêncio que bate na alma. Do silêncio do ambiente vazio. Do silêncio sozinho. Tenho muitas coisas na cabeça, o que não é novidade pra ninguém... Estou em busca da minha pasárgada. Mas confesso que a minha pasárgada parece estar longe... Muito longe. E está mais dificil chegar lá, do que eu previa. Mas tudo bem! Ócios do ofício! Hoje me sinto cansada. Realizada por conseguir dinheiro com uma coisa que me faz bem! Pela primeira vez um trabalho que me faz bem... Um cansaço, mas um cansaço feliz. Tenho medo de tantas coisas que devem ser ditas. Tenho medo, pois o silêncio permanece. Devo dizer o que está engasgado? Devo dizer o que sinto de verdade? Eis a questão. Vou dormir, pois amanhã o dia vai ser looongo! Fiquem com Iansã! o/

6 de dez de 2009

Algum tempo sem postar... O meu PC estava com problemas nos cookies (acho que eles não estavam assados direitos). Besta! Ai, tanta coisa... Mais tanta coisa mesmo. Mais uma daquelas horas estranhas em mim. Tá é, pode ser TPM, mas não é disso que eu estou falando. Falo do que é meu sempre. Do que está comigo sempre. Do que me faz falta. Ouvi coisas ontem que não me deixaram tão feliz. Ouvi coisas hoje que me deixaram menos feliz ainda. Acho que não sou uma companhia pra subir montanhas. E uma companhia que é "difícil aturar". Mania besta essa minha de enfiar as pessoas na minha vida. Mania idiota de achar que quem chega tem que ficar. Odeio ser carente, odeio não controlar meus pensamentos e odeio mais ainda não ter dinheiro pra morar sozinha. Não lembro quais foram as palavras exatas. Só lembro que "A prioridade é subir a montanha". Pode subir. Não estou impedindo ninguém, eu acho. A minha montanha está esburacada. A minha montanha não é bem uma montanha, é um vulcão prestes a entrar em erupção. Eu só queria alguém pra me dar a mão quando o vulcão entrasse em erupção. Mas a questão é... Quem se queimaria por minha causa? Sou difícil de aturar, não é mesmo?! Bosta de montanha, bosta de vulcão, bosta de vida. E de fato "Nascer não foi uma das melhores coisas que fiz na minha vida". Podia ter ficado lá quietinha, de boa. Mas não... Vamos evoluir! Vamos crescer! Vai tontona! Aprende a não ser ambiciosa e fica na sua. Aprende a ficar na sua. É o melhor que você faz. Assim você não quiema ninguém. Assim você não se queima.

31 de out de 2009

Vai ter jogo! o/o/o/ Uhuuu! *rebola e sacode a poeira* Tô mais que atrasada, mas sabe como é, a internet fica me chamando toda hora! u.u' Tem festa da Qm, mas nem vou por causa do jogo. Maior triste do mundo! T_T E o pior é que pelo que parece, eu também não vou poder ir no piquenique, pois vai ser no mesmo dia da prova do vestibulinho. E é isso. Maiores novidades estão por vir! ^^. Amo tudo... Mais que tudo... Do que sexo, não!

30 de out de 2009

Acabei de acordar da minha sonequinha da tarde. Sonho bizarro. Sonhei que tinha uma festa num lugar estranho e aberto, e todas as pessoas presentes na festa eram aqueles meus amigos que um dia fizeram alguma cagada comigo, ou soltaram algum comentário falso, coisa assim. A maioria das pessoas que estava na festa, eram lá do Fabiano. Então, meio que pra me fazer uma surpresa, eles me trouxeram o uniforme novo que era tipo, uma calça azul marinho, e uma camiseta amarela listrada, ora tom escuro de amarelo, ora tom mais claro de amarelo. Eu estava deitada de uma de uma árvore, interagindo com as pessoas, mas eu não me sentia tão feliz. Todas as pessoas estavam me procurando, falando comigo, e eu debaixa da árvore. Daí meu negão chegou, só que ele não veio me procurar, ele ficou encostado numa porta falando com uma mina. Fui até ele e arrastei ele comigo para debaixo da árvore. Ele foi, a gente até que ficou numa posição meio sensual e talz. A minha intenção era me isolar de todo mundo e ficar ali com o meu negão. Logo em seguida, alguém deu uma vela pra ele acender e caiu um pouco da cera na camiseta branca dele. Enfim, a mais falsa de todas veio até mim e pediu desculpas e disse que tinha que ir embora, pois um amigo dele tinha vomitado a língua e sangue. Daí eu falei que tudo bem, que ela podia ir embora, que eu não ia ficar chateada não. Algum tempinho depois, eu, conversando com meu negão, ele me falou que esteve em um tanque de guerra e que lá ele tinha transado com várias meninas, e elas eram todas gatas, e ficou me contando detalhes da sua experiência. Fiquei chocada, mas tentei não dar sinal do que eu estav sentndo ou pensando. Daí eu acordei. Agora a questão é, porque será que tantas pessoas que não fizeram tanta diferença na minha vida estavam naquele sonho, interagindo comigo, me fazendo surpresa, todas felizes. Uhhh... Será alguma mensagem do baiano?! o.o

27 de out de 2009

Mais um dia menos um

São exatas 4:44 da manhã. Faz mais ou menos uma hora que levantei da cama. Dores. Todas as dores possíveis e imgináveis estão em mim. Não por nada. é só sangue mesmo. -------- Falei com ele e foi maior legal. Porque é sempre legal falar com ele, mas não esperava encontrá-lo por aqui às 3:30 da manhã. E eu? Acho que vou me retirar. Simplesmente porque ainda dói. E vou descansar para ir a aula. E é isso, meu caros não leitores. Bjo da Pher.

24 de out de 2009

Uma ansiedade da porra... Eu estou com vontade de escrever, se comer, de gritar, de chorar, de rir, de pular, de ir dormir, tudo ao mesmo tempo. TPM filha da puta... Eu devia estar lendo um livro... ¬¬'' Ou dois, porque no estado que eu estou, eu conseguiria ler dois livros ao mesmo tempo!
Fiquei brava... Fiquei muito brava... Mas foda-se! Foda-se muito! Ah, veeeeeelho. Não me aguento mais nos meus dramas. Todas as minhas sensações são apliadas em 300%. Eu estou super de saco cheio!!! De verdade!!! ------------------- Todas as cores com mais sal e mais açúcar Do meu mundo todo doido. Do meu mundo todo amargo.

23 de out de 2009

Falta de inteligência...

É assim que estou me sentindo. Como se não tivesse inteligência o suficiente para viver as coisas que devem ser vividas. Eu me sinto tão burra. Sei que não me devo comparar aos outros, mas é difícil. Falta juízo, falta bom senso... Falta inteligência... *momento deprê*

22 de out de 2009

Ah velho...

Puta dor nas costas. Estou toda fodida. Dormi de mal jeito, e isso não é legal. Por que dói. Comecei a ler "Nos Bastidores da Disney". Leitura suave, e é bem menos pior do que eu imaginava. Não é tipo de livro que eu super recomendo, mas é de boa. É o tipo de leitura pra tornar um ser humano um pouco mais inteligente. Bem, meu negão está vindo pra cá. E imagina o que vamos fazer?

18 de out de 2009

Bem... Fiz, finalmemte as minhas camisetas de TCC/ Projeto da gripe. Legal. Mas cansa! u.u ________________ Doooooores. Todas as dores possíveis e imagínáveis. E olha que nem tem tanto espaço pra ter tanta dor. "Dessa vida não se leva nada não..." Estou quase passando a acreditar nisso ae...Será? Estou me sentindo estranha ((ok, agora, você conta a novidade ¬¬'')) Insegura... Tive uma conversa com meu pai. E eu percebi que tenho mais responsabilidades do que eu imaginava/previa. Comofas? Senta e chora? Nãããããã... Chorar infelizmente ainda não resolveu meus problemas. Portanto, faço sexo. Pelo menos desestressa. E é isso. Para os demais...Boa semana! o/

14 de out de 2009

Exatas 6:22 da manhã, e me diz o que eu faço no computador?? É a porra do vício! ¬¬' Bem, vou me arrumar, chega de ser vagabunda e faltar na aula! u.u'

13 de out de 2009

Ahhh... Esses meninos da QN 2.0 são uns fofos! De verdade?! Acredita que o B! tá me ajudando com meu mic?

12 de out de 2009

Acordei com uma sensação estranha hoje. Não sei, é como se estivesse faltando algo em mim... Uma sensação de vazio, mas meio físico, saca?! A questão é, coisas da minha imaginação, ou são apenas gases estomacais?!

11 de out de 2009

Primeiramente, um bom dia das crianças para todos... Segundamente... Tenho chiliques (legal, agora conta a novidade! ¬¬') O que é ser criança? Eis a questão. A graça de ser criança, é justamente essa. Não tem explicação. Ser criança é não ter um emprego, mas você pode brincar de escolinha, de médico, de cozinheira. Ser criança é não ter que se preocupar com contar a pagar, mas você pode brincar de mercadinho, se quiser. É se lambuzar de chocolate, de algodão doce, de bala de goma, de sorvete, sem ter que tomar cuidado com os quilinhos que você vai ganhar. Eu me sinto uma eterna criança... Não por esses aspectos, porque eu não me encaixo em nenhum deles, mas pelo fato de que eu curto as brincadeiras, e eu gosto de estar feliz nas pequenas coisinhas... Brincar no balanço até o dia escurecer, chegar em casa depois de um dia cansativo de brincadeiras e desenhos na escola, sentir o cheirinho de comida quentinha vindo do fogão que a mamãe preparou. São essas coisas todas que as pessoas deveriam pensar em ter... Ninguém se preocupa mais com as pequenas felicidades.
Sobre hoje... Não sei. Li um comentário sobre minhas poesias, e foi tipo uma daquelas críticas construtivas, mas negativas, saca!? Me disseram que pelo que parece eu não sofri o suficiente pra escrevê-las. Eu fiquei meio chocada. Levei numa boa, mas fiquei chocada. Será que pra escrever poesias a gente precisa sofrer? Será que elas são tão melosas assim? Talvez, de fato eu não tenha o dom da escrita, e eu só me arrisco de vez em quando... Mas até aí, o que será que ele quis dizer com isso. Que sou imatura? Isso me fez refletir bastante... Na verdade, toda e qualquer coisa que dizem pra mim, principalmente se não for me elogiando, me faz refletir. Não que eu vá parar de escrever, porque eu escrevo mais pelo desabafo do que pra mostrar pras outras pessoas que é bonito. Se fizer pra mostrar que é bonito deixa de ser arte. A mesma coisa dos filmes pornôs, os atores não estão fazendo sexo com prazer, pra se expressar, pra curtir, não estão fazendo sexo pra eles, estão fazendo sexo pros outros, pra mostrar as posições bonitas, e talz... ((que briiisa!)) Mas é bem por aí. Eu tava assistindo uns pornôs com o meu negão hoje, só por ver, saca... E eu comecei a observar os lados técnicos das coisas. Tipo o cabelo da menina, o modo como o cara pegava na cintura dela, as posições, os gemidos. E percebia-se que estavam fazendo pra ficar bonito (e acabava ficando falso). Eu sou a favor do que é de verdade, do que é feito pra se expressar, e não pra ser bonito. Se for bonito é consequência, mas essa consequência não deve ser a prioridade. E é isso. Eu estou com umas brisas nervosas, saca!? Bem, o meu negão foi embora, e provavelmente eu vou ficar aqui até uma meia noite sozinha... Alguém se propõe a me fazer companhia??

É bom estar bem

Bem, foi bom... É sempre bom. Só o fato de estar por perto. Só o fato de estar ali, pertinho de mim. Eu gosto. Não deveria. Mas eu gosto. Gosto de todas as coisas 'completantes' em nós. Gosto dos seus olhinhos de jabuticaba que ficam esperando eu acordar. Gosto dos seus beijinhos que me acordam. Gosto dos seus carinhos durante e depois do nosso prazer. Gosto de estar ali, quietinha entrelaçada nos seus braços. Gosto de estar ali. Perdida no seu colinho. E nas pipocas do filme Star Wars. ^^. Eu estou bem sim, e você? É realmente muito impressionante essa frequência com a qual estou bem... È bom estar bem. É sempre bom estar bem... Eu não tinha idéia do quanto é bom estar bem. E eu estou. E desejo aos demais que estejam também... _____________________________________ Música e tradução que estou ouvindo agora... ((Maior legalzinhaaa o/o/o/)) Shoulder To Shoulder - Little Joy Ombro A Ombro - Little Joy Shoulder to shoulder Ombro a ombro Amused, but not advanced Divertido, mas não moderno He, she Ele, ela You, me Você, eu It's all just circumstance São só circunstancias Eager, hopeful Ansioso, esperançoso Content to play the friend Satisfeito por fazer papel de amigo Timid advances Avanços tímidos With mutual regret Com arrependimento mútuo He can't always be wrong Ele não pode estar sempre errado He can't always be right Ele não pode estar sempre certo Not a matter of choice Não é uma questão de escolha Just a matter of time É só uma questão de tempo Till they know where they stand Até que saibam onde ficar Once they've reached the end Até que alcancem o fim Awkward choices Escolhas estranhas With smiles from ear to ear Com sorrisos de orelha à orelha A faded union Uma união desbotada That won't survive the years Que não sobreviverá aos anos Timeless series Sucessões atemporais Of blameless accidents De acidentes sem culpa Oh, disturbing cicle Incômodo ciclo Of inherited mistakes De erros hereditários She can't always be wrong Ela não pode estar sempre errada He can't always be right Ele não pode estar sempre certo Not a matter of choice Não é uma questão de escolha Just a matter of time É só uma questão de tempo Till they know where they stand Até que saibam onde ficar Once they've reached the end Até que alcancem o fim I'll be mine where I place my drafts Serei de mim mesmo onde ponho meus rascunhos When the desert ends Quando o deserto acabar I last the dust Eu sobreviverei ao pó I'll be mine where I place my drafts Serei de mim mesmo onde ponho meus rascunhos When the desert ends Quando o deserto acabar I ask the dust Eu perguntarei ao pó
Eu tenho gostado das coisas do mundo, talvez porque eu tenha visto o mundo com outros olhos. Ou talvez por eu estar com novos olhos. O mundo tem coisas bonitas, e todas as pessoas gostam de coisas bonitas. Eu fico olhando pela janela, observando os carros, as pessoas (num tamanho de formiguinha, daqui do sexto andar). É tudo tão perfeito, numa proporção de formas e cores que se condizem. É bonito e natural. Eu gosto de observar também os prédios (que também tem um tamanho de formiguinha). Como pode pessoas que no seu geral não chegam nem a dois metros de altura, construir obras tão gigantes de, sei lá, vinte, trinta metros? É mais uma das perfeições. Essa perfeição é o que chamam de Deus, mas eu não acho que isso seja Deus. Não faço idéia do que seja, mas é fácil você colocar a "culpa" em algo que você não sabe o que é, ou se existe. É complexo, eu sei. De qualquer forma, faz sentido as pessoas criarem esses mitos (sim, porque pra mim Deus é um mito!) pra explicar as coisas. Digamos então, que eu sou do contra. Para mim não é tão simples acreditar que algo invisível, onipresente, onipotente, tem o poder de controlar a perfeição. Os seres humanos são perfeitos. Eles são capazes de fazer o que quiserem. São perfeitos inclusive por terem defeitos. Essa é a verdadeira perfeição, essa coisa plena de que as pessoas falam, não existe. Portanto, nós somos o Deus.

5 de out de 2009

e eu só me fodo nessa merda...

Por que eu sei que esse negócio de internet vai foder com a minha vida. Eu sinto. Não vou fazer mais porra nenhuma além de ficar na internet o dia toooodo, pra sempre... Os meus dias serão arruinados pela tecnologia! Huh!

Só mais um dia de glória...

Saca, esse negócio de vc se prender a um post por dia, é pros fracos. Não contente com o meu fotolog, criei um outro canto pras minhas brisas nervosas. Alguém se opõem?? Que bom. Pra começar bem, vamos ficar com um pedacinho de "O Lascívo de Lívido": Eu lancei todas as pedras no seu piso liso Eu lancei todos os espinhos no seu jardim vazio. by: Me- _________________________________ A cereja que você colocou em minha boca arde agora. Porque eu deixei arder. Não soube tirar a cereja quando deveria. by: Me- _________________________________